Laboratório de Hidráulica / Laboratório Hidráulica II Manoel Gilberto de Barros / Bacia Escola

 

LABORATÓRIO DE HIDRÁULICA II MANOEL GILBERTO DE BARROS

Descrição

O Laboratório de Hidráulica II Manoel Gilberto de Barros encontra-se instalado no Bloco BU, dentro do espaço físico do CCT/UFCG, em Campina Grande, numa área de 400 m². O laboratório foi construído para a realização do estudo em modelo reduzido da Barragem da Pedra, situada no Rio de Contas, BA.


Chefe

Carlos de Oliveira Galvão

 

Contato

Universidade Federal de Campina Grande - Campus I
Rua Aprígio Veloso, 882 Bodocongó
Laboratório de Hidráulica - Bloco BU
Campina Grande - PB

 Tel.: 55 83 2101 1461

 

Equipamentos

  Para a realização do estudo, que foi concluído em 1983, dois modelos reduzidos foram construídos. Um modelo tridimensional onde se reproduziu, na escala 1:100, a barragem, o lago formado pela acumulação de água à montante, e um trecho de 1 km do rio à jusante da barragem. Com esse modelo foi possível se estudar as características do fluxo de aproximação, a lei de manobra das comportas e os aspectos da erosão localizada imediatamente à jusante do dissipador de energia.

O outro modelo, bi-dimensional, foi construído em escala 1:50 em um trecho de canal onde se reproduziu um vão mais duas metades da barragem, abrangendo uma das suas comportas. A finalidade básica foi a de estudar o comportamento das pressões no corpo do vertedor (tipo Creager) e os efeitos do descolamento da lâmina d'água.

 

A Barragem da Pedra

O Rio das Contas está situado na região sul do Estado da Bahia, desenvolvendo-se entre os meridianos 39º e 42º30’ e entre os paralelos 13º e 15º. Seus formadores estão localizados nas encostas da Serra das Almas e da Chapada Diamantina, na contravertente de oeste encontram-se os tributários da região superior do médio São Francisco, na do sul, a bacia do rio Pardo e, na do norte, os rios Paraguaçu e Jequiriçá. Em seu curso inicial o rio das Contas tem a orientação segundo a direção Norte-Sul, com ligeira inclinação para leste até a vila de Suçuarana, a partir daí, muda de rumo, seguindo a direção Nordeste até o povoado de Apertado do Morro. Daí até a cidade de Jequié, segue na direção geral Oeste Leste, e após, inverte na direção Sudoeste até sua desembocadura no oceano Atlântico, nas proximidades do lado norte da cidade de Itacaré.

Figura1.jpg Figura2.jpg

O represamento do rio das Contas é feito por uma barragem de contrafortes, com 17,00m de largura na cabeça e 6,74m na alma, com altura máxima acima da fundação da ordem de 60 metros; o nível do represamento normal foi fixado na cota 219,00m enquanto que os níveis máximo excepcional e mínimo foram estabelecidos, respectivamente, nas elevações 231,30m e 208,00m. O desnível criado entre o nível do reservatório e o de jusante – cota 180,00m - é de ordem de 45,00m.

O vertedouro está localizado praticamente no corpo central da barragem de contrafortes, no talvegue do rio e é constituído por sete comportas do tipo segmento; suas dimensões são 9,00m de altura, 12,5m de largura e raio de 10,00 m. Sua capacidade de vazão é da ordem de 5.000m³/s, com reservatório na cota 228,00m, é de ordem de 8.000m³/s, com reservatório na cota 231,30m quando é admitida a sobrelevação de 3,30m para amortecimento da enchente. A dissipação de energia é feita através ¨roller buckets¨ dotados de blocos dissipadores no final da concha. Ao lado do Vertedouro, em direção à margem direita, está a tomada d’água, constituída dos blocos N 10 e 11 contíguos a vertedouro; da tomada d’água partem os condutos de adução á turbina da casa de força; e outro para a descarga de fundo. A primeira alimenta uma turbina Francis, vertical com potência unitária de 28.300 cv. A capacidade nominal do gerador é de 22.230 Kva. Quanto ao leito do rio das Contas, as investigações geológicas constataram a existência de uma camada de areia fina fluvial, permeável, de espessura variável, chegando a atingir às vezes 10m. Essa camada estende-se entre as margens sobre camadas mais profundas de diversas formações gnáissicas.

Figura3.jpg Figura4.jpg

Bacia de Acumulação

Até a cidade de Jequié o rio das Contas possui seus contribuintes inteiramente situados na região abrangida pelo polígono das secas, os quais são na maioria de regime intermitente. Até Jequié, sua bacia hidrográfica compreende o chamado Alto rio de Contas e, entre os afluentes de ambas as margens, salientam-se o Santo Antonio, Brumado, Gavião, Sincorá, Ourives, Jacaré e outros, os quais, os quais em razão da grande área de drenagem que abrangem, proporcionam um regime acentuadamente irregular, com grandes variações de deflúvio. Considerando, portanto, o regime fluviométrico bastante irregular, a regularização das descargas do Alto rio de Contas, seria feita por meio de um reservatório de acumulação adequado, o que é obtido pela implantação da barragem situada cerca de 18 Km a montante da cidade Jequié, no local denominado Pedra. Tal reservatório permite, assim, o controle de enchentes que por vezes causaram prejuízos na área a montante da cidade de Jequié. O volume total da bacia de acumulação é de 1.690 Km³, sua área total é de 105 Km² e seu volume útil é da ordem de 1484 Km³. O vale do rio de Contas encontra-se na região das rochas cristalinas do “Escudo Precambiano Brasília”, na região leste do país, cortando praticamente em ângulo reto a orientação geral NE-SO das rochas cristalinas, aproveitando as fendas e fissuras transversais.

Barragem de Contrafortes

A jusante do bloco 11 da barragem, que contém a descarga de fundo, existe uma bifurcação e tubulação dupla contendo as válvulas borboleta e dispersora.

Comportas do Vertedouro

Generalidades

O vertedouro é composto por sete comportas tipo segmento de 12,50m de vão, 9,70m de altura e 10,00m de raio. Giram em torno de munhões ancorados nos pilares na cota 224,18m. distante 7,45m do eixo da barragem. Rolam lateralmente em guias embutidas nos pilares onde também se processa a vedação. A viga da soleira, onde se apóia à comporta e se obtém a vedação, está na cota 218,544m. As comportas de segmento bem como suas guias embutidas foram fabricadas pela Mecânica Pesada S.A. A estrutura da comporta consiste em um tabuleiro em foram de segmento circular, composto por vigas verticais secundárias, apoiadas sobre duas vigas horizontais principais, que por sua vez transmitem os esforços aos braços laterais e estes aos munhões. As comportas foram projetas para uma carga hidrostática de 9,46m.

Figura5.jpg

As comportas de segmento pesam 40,0 T cada e a vedação é de borracha sintética composta de dois trechos laterais que se apóiam nas guias laterais dos pilares e um trecho inferior que se apóia na soleira. Lateralmente, os tabuleiros possuem uma roda-guia de cada lado. Estas rodas rolam nas peças fixas embutidas nos pilares. As guias das comportas de segmento, existentes nos sete canais do vertedouro, são compostas de duas partes laterais embutidas nos pilares com a linha de centro formando um arco de circunferência de raio 9,72m centrado no munhão e uma parte inferior compondo a soleira, na cota 218,544m. Foram construídas basicamente em aço estrutural. À distância entre as superfícies de vedação lateral é de 12,50m.

Texto retirado de http://iedasampaio.blogspot.com/search/label/Barragem%20Pedra%20Jequi%C3%A9.

 

                          Para visitar a HomePage do Laboratório Click aqui!!!


Laboratório de Hidráulica / Laboratório Hidráulica II Manoel Gilberto de Barros / Bacia Escola